Bem-Vindo(a) Visitante
Conectar com Facebook
Registrar!   Login
Idioma: Português - BR English
Bem-Vindo(a) Visitante
Conectar com Facebook
Registrar!   Login
Idioma: Português - BR English

Parnaioca - 5.º lugar nas 7 Maravilhas da Ilha Grande - RJ

Atualizada 16/12/2015
Esta maravilha, contemplada com o quinto lugar, é um dos altares mais sagrados da Ilha Grande.

Se a Praia da Parnaioca tivesse tirado o primeiro lugar, não seria de se estranhar. Esta maravilha, contemplada com o quinto lugar é sem dúvida um dos altares mais sagrados da Ilha Grande.


Localizada ao Sul da Ilha Grande, entre a Ponta Alta da Parnaioca e a Ponta da Tucunduba (mar aberto), vizinha à Reserva Biológica da Praia do Sul e hoje fazendo parte do Parque Estadual da Ilha Grande, a Praia da Parnaioca é uma das mais selvagens e preservadas praias da ilha.

Praticamente deserta, com um número de casas que se conta com os dedos das mãos, sem comércio, sem pousadas (abrigo só em casa de morador), cercada de matas onde habitam colônias de bugios, bandos de micos, esquilos, pacas, cotias, diversas espécies de pássaros, flores, frutas e rios que despencam encachoeirados montanha abaixo, formando deliciosos poços de deixar qualquer um com inebriado. A sua extensa faixa de areia dourada cravejada de conchinhas e açoitada de jeitinho por um mar azul-turquesa cristalino; as amendoeiras com suas redes “divãs” sombreando a orla, as serras cobertas de floresta, a bela lagoa junto à praia, os rios encachoeirados, ruínas de fazendas e senzalas, o cemitério centenário, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, os animais que sem medo dos forasteiros começam a aparecer nos caminhos, às trilhas do entorno que nos levam a lugares espetaculares, seu pôr-do-sol no mar, as estrelas e as galáxias vistas a olho nu, as histórias de naufrágio, piratas e lendas contadas por seus anciões, fazem dessa praia um paraíso. Uma singular Maravilha da Ilha Grande.

Nesse ambiente divino é muito fácil você se esquecer do mundo ou até mesmo de você...
Cada passo dado em sua direção é uma emoção diferente. Desde o Abraão, onde muitos se benzem ao começar os primeiros passos, até a pedra em forma de altar já chegando na Parnaioca, e que se abre como uma janela na mata nos revelando o paraíso que nos espera, são muitas as surpresas e encantos.
Do alto da Curva da Morte, damos adeus aos agitos do Abraão e entramos num outro mundo. A estrada deserta rasgando a mata insiste em nos levar para o alto, passando ao lado de abismos e serpenteando a serra. Um atalho nos aproxima ainda mais desse mundo paralelo que estamos prestes a penetrar e nos derrama num poço de fadas, contraditoriamente chamado de Piscina dos Soldados.

Já se sentindo na pele de Graciliano Ramos, você chega, um pouco melhor que ele, na Placa de Sinalização (T15) que dá acesso a uma das Maravilhas – O Caxadaço. Mas você não pode fugir do seu destino. A caminhada prossegue e logo, uma alameda de palmeiras imperiais dá as boas vindas ao que restou da Colônia Correcional de Dois Rios – Instituto Penal e Presídio de Segurança Máxima da Ilha Grande.
Tantas casas e tão poucos moradores, que nos sentimos entrando numa espécie de cidade abandonada. Mas antes que você se sinta um “Indiana Jones” explorando alguma ruína perdida, como num passe de mágica, você se vê envolvido de moradores, guardas, universitários, pesquisadores, biólogos, ex-presidiários, pássaros e cachorros amigáveis.

Depois de um mergulho nas fozes dos dois rios que desembocam na praia e provavelmente depois de abater um prato caiçara (arroz, feijão, farinha, pimenta, salada e peixe-frito) é hora de prosseguir.
Depois de cruzar pontes de alvenaria em plena floresta, uma pirâmide de granito bem ao lado da trilha, nos dá o sinal de que a aventura começou de verdade.    
Você até poderá se sentir um preso foragido ao avistar, entre a capoeira e as samambaias, as guaritas onde ficavam os guardas do presídio.
Se for este o caso, o refúgio logo aparece em forma de toca. É a Toca das Cinzas que num passado remoto abrigou índios, escravos e caçadores. Hoje, a entrada principal está fechada devido a um deslizamento. Mas as surpresas não param por aí.

Mal você começa a caminhar, outra surpresa ainda mais surpreendente: uma gigantesca figueira-branca com mais de 30 metros de altura e 17 de circunferência. A visão é deslumbrante e nossos olhos não conseguem ver onde seus mais altos galhos terminam. A essa altura da caminhada, você já está quase preparado para entrar no tal “mundo paralelo” que é a Parnaioca. Antes disso, você ainda terá que passar por riachos, cachoeiras, pelas curvas do “Mar Virado”, enfrentar o cerco dos bugios, ser ciceroniano por macucos e lagartos, deixar suas marcas nos caules dos bambus gigantes, até que finalmente, depois de seis horas de caminhada (ou mais) chegar numa pedra em forma de altar. No lugar de imagens de santos, uma escotilha se abre entre os galhos nos permitindo vislumbrar o imponente cenário que nos apresenta este lado da Ilha.

É comum chegarmos neste altar com o sol se pondo, nos fazendo ficar hipnotizados ante a inebriante sensação de algo sublime que nos contagia. Os olhos não sabem para onde olhar primeiro...

Deixe seu comentário

O que você achou da página, pousada, estabelecimento ou local? Conte sua experiência para nós e para os demais internautas!

Max. 250